jul
21

Toda criança desenha às pampas, não é? Pois eu desenhava muito e super bem. Lembro da tia Luiza chegando lá em casa com várias colas coloridas (isso ainda existe?). Eu decorava os potinhos de vidro pr´ela dar de presente às amigas. Dizia que era um sucesso – e, pensando bem, alguns ficavam bem interessantes. Eu devia ter uns 8 ou 9 anos. Aprendi a desenhar com o Daniel Azulay, que na época apresentava um programa na tevê.

Já adolescente, a arte evoluiu (risos). Fiz alguns painéis de festinha infantil e, em troca, era convidada pros comes e bebes regados a pirraça de criança. No início achei bom. Depois, vieram as primeiras suspeitas de que não eram pra mim nem a maternidade nem os pincéis. Foram necessários anos para resolver que: não seria mãe; deveria ser honesta o bastante para escolher entre imagem e texto.

daniel azulay

Fiquei com a escrita, você sabe. Mas o simples traço que virava tudo de mais espetacular do Daniel Azulay perdurou na memória. E na noite de ontem conheci esse ídolo da infância ao vivo e a cores. Eu e Claudinha Holanda fomos ao lançamento do pianista David Feldman e, quando menos esperávamos, a conversa com ele já havia engrenado. Até que não resistimos e pedimos autógrafo! (risos).

Aliás, saímos da Modern Sound felizes demais. Dividimos a mesa e trocamos mil ideias com a Jane Duboc. A cantora embalou muitas das nossas tardes de sábado, quando era atração do Chacrinha. Jane é gente como a gente e ainda canta daquele jeito indizível. Também não escapou da sessão abraço-sorriso-foto (risos). Fica com a dica: ela está lançando um disco com meu amigo Victor Biglione, dedicado ao repertório da Ella Fitzgerald. É bonito toda a vida : ))

Você pode deixar uma mensagem, ou um trackback do seu próprio site.

3 respostas to “Ao vivo com Daniel Azulay e Jane Duboc”

 
  1. Mariana Britto disse:

    Hahahahah adorei!!! Tenho a coleção do Daniel Azulay lá em casa, são livros onde ele ensina a desenhar… fiu fiu! Algodão doce pra você Monica!!! Bjs,
    MB

  2. O encontro com Daniel Azulay foi O Encontro. Esse gênio da simpatia iluminou muitas das minhas tardes. Ficava eu com caixinhas de ovo, palitos de dente, tesoura sem ponta, tudo pra tentar construir alguns de seus brinquedos. Eu ficava com os brinquedinhos, porque no desenho eu nunca consegui desenhar uma vassoura dignamente.
    E tinha ainda a Gilga, o Piparote, Professor Pirajá, a Xicória.. divertidos pra sempre.
    E ainda teve a JAne Duboc com todos seus sorrisos e conversas. A noite foi, como diria Faustão, Gloriosa!!!
    É nós, moniquinha

  3. monica disse:

    noites gloriosas e algodão doce pra vocês, mari e claudiôlanda ; )

 

Deixe seu comentário

Monica Ramalho

Monica Ramalho

Como me achar

(21) 99163.0840
moniramalho@gmail.com

Arquivo

Caixinha de Música