abr
03

Três comprimidos para dormir, duas angústias originárias do amor frustrado, um peito rasgado ao meio. Metade dela se agitava; a outra metade mal se movia. De súbito, as pílulazinhas viraram uma cartela cheia – e, puxando assim pela memória, o par de tristezas se desdobrou em incontáveis. Olhos fechados e respiração labiríntica. Quase podia vislumbrar um metal abrindo brechas no peito, até então emaranhado apenas pela corrente tênue dos sentimentos.


Por Monica Ramalho

Publicado originalmente na web em 25 de setembro de 2005

Você pode deixar uma mensagem, ou um trackback do seu próprio site.

Deixe seu comentário

Monica Ramalho

Monica Ramalho

Como me achar

(21) 99163.0840
moniramalho@gmail.com

Arquivo

Caixinha de Música