jul
08

“Hermínio Bello de Carvalho, aos 80: Uma Rosa Para o Poeta” é uma série de quatro shows temáticos e independentes, cada um apresentado por dois dias, em oito noites de música e cerca de 80 composições de Hermínio e parceiros. Tudo idealizado para comemorar o marco dos 80 anos de vida do poeta, compositor e produtor cultural que, há 60 deles, se dedica à nossa música popular. A homenagem será realizada em dois ciclos, de quinta a domingo: nos dias 14, 15, 16, 17 de julho e 21, 22, 23 e 24 do mesmo mês, às 19h, no Centro Cultural Correios, Centro do Rio. Ingressos a R$ 20.

Hermínio entre Zé Renato e Joyce
Oito intérpretes foram convidados para revisitar o cancioneiro de Hermínio. Alguns são amigos de vida inteira, outros buscam inspiração na sua música para cantar hoje. As duplas ficaram responsáveis por um recorte específico da vasta obra, ainda em construção, do poeta. São elas: Marina Íris e Marcos Sacramento, Áurea Martins e Alaíde Costa, Joyce Moreno e Zé Renato (em foto de Lucíola Villela), Gabi Buarque e Vidal Assis. Esta homenagem tem patrocínio dos Correios e produção da Olhar Brasileiro, de Luiz Boal, com produção executiva de Sonia Machado, coordenação editorial de Ana Claudia Souza, cenário e figurino de Ney Madeira e Dani Vidal. A assessoria é de Monica Ramalho, da Belmira Comunicação.

“Dirigir Hermínio é dirigir Quelé, Aracy, Paulinho da Viola, o Rosa de Ouro e a Verde-e-Rosa descendo o morro num chão de esmeraldas. É dirigir Elizeth, Zezé, Pixinguinha, Jacob e todos os chorões. É reler Mário de Andrade e a própria centralidade da ideia de política cultural. No entanto, para dirigir o Timoneiro, tem que topar a mesma sina dele: ser escravo das canções. Amar o velho e o novo com a mesma obsessão. É ser jovem aos 80, descobrindo e refazendo um Brasil em cada nova canção, em cada nova amizade”, enumera o diretor artístico Gustavo Guenzburger.

Esse clima de gratidão e amizade envolve toda a equipe. “Quando o Luiz Boal me convidou para fazer a direção musical desse projeto, não imaginei o grande desafio que seria. Mas conhecer a fundo e escrever arranjos da obra musical do Hermínio, meu amigo e parceiro há uns dez anos, está sendo também uma experiência maravilhosa e gratificante. Precisamos, cada vez mais, de figuras como ele. E que o sorte será ter o homenageado na plateia desses quatro shows!”, vibra Lucas Porto, violonista de sete cordas e diretor musical de “Hermínio Bello de Carvalho, aos 80 – Uma Rosa Para o Poeta”.

Pesquisar e elaborar os roteiros coube ao jornalista e cantor Pedro Paulo Malta. “Além de ouvir pilhas de discos e vasculhar livros e sites de referências em busca dos lados A, B e C do Hermínio, uma coisa que fez toda a diferença nessa pesquisa foi o acesso ao homenageado, que não só trouxe sugestões para os repertórios, como também questionou, ponderou (e, ufa!, avalizou) as seleções que fiz juntamente com o Gustavo e o Lucas. Tudo foi muito conversado e lapidado em conjunto, entre cafezinhos, quitutes, cervejas e visitas ao Hermínio. Espero que este clima chegue ao público”, celebra ele.

O que se ouvirá em cada noite é um painel afetivo da obra do Hermínio Bello de Carvalho como letrista. Estão lá as suas paixões: o Rosa de Ouro, a Mangueira, as grandes cantoras, a devoção por Pixinguinha e Jacob do Bandolim e os parceiros que ele segue multiplicando a todo vapor. Em cada show, entram em cena dois intérpretes especialmente escolhidos em função dos repertórios.

Programe-se:

Dias 14 e 15 de julho (quinta e sexta), às 19h:.
ROSAS: DE OURO E DA MANGUEIRA
Com Marina Íris e Marcos Sacramento

Este show tem como referência dois marcos fundamentais do início da carreira de Hermínio: o espetáculo Rosa de Ouro, responsável por revelar Nelson Sargento, Elton Medeiros, Paulinho da Viola, Clementina de Jesus, e o Zicartola, polo cultural, gastronômico e musical, criado pelo compositor Cartola e sua mulher, Zica.

No roteiro, Alvorada” (com Cartola e Carlos Cachaça), “Chão de esmeraldas” (com Chico Buarque), “Cicatriz” (com Zé Kéti), “Mudando de conversa” (com Maurício Tapajós), “Pressentimento” (com Elton Medeiros), “Rosa de ouro” (com Paulinho da Viola e Elton Medeiros) e “Sei lá, Mangueira” (com Paulinho da Viola), entre outras.

Dias 16 e 17 de julho (sábado e domingo), às 19h:.
AS DIVAS DO POETA
Com Alaíde Costa e Áurea Martins

Homenagem às mulheres que encantaram o poeta, além das parceiras, como Sueli Costa, Dona Ivone Lara, Simone e Joyce. As cantoras têm papel fundamental na carreira de Hermínio, cuja obra foi imortalizada por interpretações inesquecíveis de Elizeth Cardoso, Zezé Gonzaga, Marlene e Alaíde Costa, por exemplo.

No roteiro, entre outras, “Camarim” (com Cartola), “Cobras e lagartos” (com Sueli Costa), “Fala baixinho” (com Pixinguinha), “Mas quem disse que eu te esqueço (com Dona Ivone Lara), “Monotonia” (com Célia Vaz) e “Sou apenas uma senhora que ainda canta” (com Radamés Gnattali)

Dias 21 e 22 de julho (quinta e sexta), às 19h:.
CHOROS E AMIGOS
Com Joyce Moreno e Zé Renato

O choro tem um lugar especial na obra de Hermínio. No terceiro show, são homenageados os parceiros chorões: dos ídolos Pixinguinha e Jacob do Bandolim a aprendizes contemporâneos, como o violonista e arranjador Mauricio Carrilho. Também são lembrados os parceiros póstumos, como Chiquinha Gonzaga, João Pernambuco, Ernesto Nazareth e Heitor Villa-Lobos.

No roteiro, estão garantidos “Amigo é casa” (com Capiba), “Atraente” (com Chiquinha Gonzaga), “Doce de coco” (com Jacob do Bandolim), “Escorregando” (com Ernesto Nazareth), “Estrada do sertão” (com João Pernambuco), “Mulher faladeira” (com os Maurício Carrilho e Maurício Tapajós), “Noites cariocas” (com Jacob), “Prelúdio da solidão” (com Villa-Lobos) e “Vou vivendo” (com Pixinguinha).

Dias 23 e 24 de julho (sábado e domingo), às 19h:.
TIMONEIRO DE NOVOS PARCEIROS E DE PARCEIROS NOVOS
Com Gabi Buarque e Vidal Assis

Incentivador de novos talentos, sem perder de vista a referência aos que abriam caminho no passado, Hermínio sempre esteve envolvido com iniciativas que permitissem ampliar o conhecimento da e sobre a música brasileira, renovando a sua força e afirmando a sua vitalidade. Neste show, são destacadas as parcerias com músicos de gerações mais jovens, como Vidal Assis, Lucas Porto, Fernando Temporão, Guilherme Sá e Kadu Mauad, além de parceiros marcantes, como o cantador paraense Vital Lima e o sambista carioca Moacyr Luz.

No roteiro, pérolas como “Meu vadio coração” (com Lucas Porto), “O samba é minha nobreza” (com Teresa Cristina e Luciane Menezes), “Pastores da noite” (com Vital Lima), “Quando o amor acaba” (com Moacyr Luz), “Penúltimo desejo” (com Vidal Assis) e “Timoneiro” (com Paulinho da Viola).


“Hermínio Bello de Carvalho, aos 80 – Uma Rosa Para o Poeta”, serviço

QUANDO: dias 14, 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24 de julho, sempre às 19h
ONDE: Centro Cultural Correios – Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro do Rio
QUANTO: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada para estudantes e maiores de 65 anos
E MAIS: A casa dispõe de 199 lugares e a classificação é livre

Você pode deixar uma mensagem, ou um trackback do seu próprio site.

Deixe seu comentário

Monica Ramalho

Monica Ramalho

Como me achar

(21) 99163.0840
moniramalho@gmail.com

Arquivo

Caixinha de Música