set
05

A exposição Arte como Campo de Jogo será inaugurada no dia 15 de setembro, às 18h, no Castelinho do Flamengo. Com curadoria de Simone Rodrigues, Marcos Bonisson e Thiago Barros, a mostra reúne 17 obras selecionadas de 19 artistas de cinco países (dois deles criaram em dupla) de 20 a 50 anos, que desenvolvem pesquisas no campo da imagem e apresentam diferentes experiências de linguagem e propostas narrativas. Baseada na ideia da arte como jogo, a montagem enfatiza as aproximações e diálogos entre os trabalhos, ou entre os “jogadores” e os seus “lances”. Fica em cartaz até o dia 16 de outubro, com entrada gratuita.

Paisagens Efêmeras

“Não é uma exposição de fotografia no sentido convencional, em que, com frequência, vemos imagens variando dentro de molduras padronizadas. Nosso objetivo é fazer a ‘fotografia ganhar vida’, sair do seu suporte tradicional e vir para o mundo. Em tempos de ampla banalização da imagem, é isso que faz com que o desdobramento do trabalho de cada um seja tão singular. Valorizamos a diversidade de meios e suportes: além de fotos impressas, há vídeos, objetos e instalações. A obra de Inês Quiroga, por exemplo, Coleção de Desejos, foi criada especialmente para esta exposição e dialoga com o Aterro do Flamengo e o espaço urbano em torno do Castelinho. O que esse grupo de artistas têm em comum é a importância da fotografia nas suas poéticas. A curadoria procurou reconhecer essas singularidades e explorar as relações entre elas. A maneira de expor cada obra foi pensada de forma a potencializar seu sentido, ou a força da sua experiência por parte do público. Por isso, cada trabalho ocupa um espaço muito planejado e aqueles que compartilham a mesma sala, na certa mantêm um diálogo”, explica Simone Rodrigues.

Há, por exemplo, uma sala com caixas escuras que convidam o visitante (maior de 18 anos) para uma experiência de peep show erótico (Todo T, de Ricardo Bruno e Fabian Gomes). Outra traz jogos gráficos que brincam com a herança construtivista, abstrata ou figurativa (Marés, de Yan Braz) e Todas as Coisas, de Viviana Covelli). Há uma Caverna de Platão, com instalação meio proto-cinema, meio teatro de sombras (de Loló Bonfanti). Existe, ainda, um “espaço que dorme” (Cidades Inabitadas, de Virgilio Garbayo e Shayan Mudra, de Taís Monteiro). Entre outros métodos de impressão alternativos, a obra Paisagens efêmeras, de Simone Tomé, apresenta impressões feitas com clorofila, diretamente sobre folhas de plantas. A diversidade da mostra se estende às nacionalidades dos artistas: além dos brasileiros, há duas argentinas, uma colombiana, um português e um espanhol.

Arte como Campo de Jogo explora caminhos através dos quais a fotografia se faz ideia, conceito, pensamento, um tipo de código que incita a sua decifração e que se tornou essencial nos sistemas de comunicação das sociedades modernas e, por isso mesmo, na arte contemporânea. A proposta curatorial, concebida de forma colaborativa, foi organizada em torno do conceito de “símbolo”, termo que tem origem no grego symbolon, ou seja “lançar junto, jogar junto”. O que se vê no interior de todo o Castelinho do Flamengo é uma coleção de fotografias em seu campo dito “expandido”, de arte híbrida, aberta à multiplicidade dos suportes e processos da imagem-máquina, da imagem-luz, da imagem-matéria. A temporada contará com programação de atividades complementares, como palestras, leitura de portfólios, bate-papo com os artistas e visita guiada pelos curadores. O patrocínio é da Prefeitura do Rio, através da Secretaria Municipal de Cultura, com produção do Curta O Curta.

A seleção das obras é resultado de convocatória entre os participantes (dos últimos 5 anos) dos cursos “Foto-matriz – processos criativos em fotografia” e “Fotografia e matéria”, desenvolvidos por Simone e Thiago na EAV do Parque-Lage, os artistas presentes na mostra são (em ordem alfabética):

Carlos Barradas – de Portugal
Claudia Mauad
Diogo Benjamin
Duda las Casas
Edilson Pereira e Guilherme Macedo
Inês Quiroga
Loló Bonfanti – da Argentina
Mara Tomietto – da Argentina
Maria Drummond
Ricardo Bruno e Fabian Gomes
Roberto Abreu
Simone Tomé
Taís Monteiro
Tatiana Guinle
Virgilio Garbayo – da Espanha
Viviana Covelli – da Colômbia
Yan Braz

Arte como Campo de Jogo, serviço
QUANDO: de 15 de setembro, às 18h, até 16 de outubro de 2016
ONDE: Centro Cultural Municipal Oduvaldo Vianna Filho – Castelinho do Flamengo (Rua Dois de Dezembro,
QUANTO: Grátis, com visitação de terça a domingo, das 10h às 18h

Atividades complementares:
(Sempre das 15h às 18h)
Dia 24 de setembro: Visita-guiada e bate-papo com artistas
Dia 1 de outubro: Palestra A fotografia contemporânea e seus suportes, por Thiago Barros
Dia 9 de setembro: Jogo da Vida em RGB: o foto-objeto na história da arte
Dia 15 de outubro: Leitura de Portfolio, por Marcos Bonisson

Você pode deixar uma mensagem, ou um trackback do seu próprio site.

Deixe seu comentário

Monica Ramalho

Monica Ramalho

Como me achar

(21) 99163.0840
moniramalho@gmail.com

Arquivo

Caixinha de Música